Arquivo do mês: agosto 2014

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

Pessoal,

Estamos muito felizes com a grande procura pelo colóquio internacional Os Mil Nomes de Gaia: do Antropoceno à Idade da Terra. Isto foi algo totalmente inesperado por nós, uma vez que eventos acadêmicos costumam ser bem modestos em termos de público. Ficamos mais do que surpresos quando as inscrições se esgotaram em cerca de hora e meia, algo inédito inclusive para a empresa que nos presta o serviço de organização e inscrição.

A Casa de Rui Barbosa foi extremamente generosa ao nos ceder uma estrutura que não teríamos como bancar fora dali, pois não é novidade que nossos recursos financeiros são muito limitados. Não há condições para mudarmos o evento para um local maior.

No entanto, encorajamos os interessados — pesquisadores, alunos, e todo o povo não-acadêmico a quem a questão de Gaia mobiliza —, a se reunirem com seus amigos e seus coletivos em suas casas ou instituições, em suas escolas ou universidades, para assistir ao colóquio via streaming e fazer desta oportunidade uma janela para pensar e discutir os temas levantados pelas conferências. Incentivamos que levem o colóquio para suas cidades, que façam debates em torno das falas, que produzam material acerca das ideias, e do pensamento contemporâneo da crise.

Se por um lado é frustrante não poder receber a todos na Casa de Rui Barbosa, por outro é muito gratificante levar o colóquio para todos os lugares, via internet, para tantos interessados, e sobretudo para aqueles que não conseguirão vir.

Para quem quiser arriscar: abriremos inscrições no local para preenchimento dos lugares vagos no caso de desistências — tanto no auditório principal como nas salas anexas, para onde as palestras serão transmitidas por streaming. Inscrições sujeitas à lotação diária!

Agradecemos a compreensão de todos e a enorme procura,

Venceremos!

Faixa de Gaia

Anúncios

As inscrições abrem amanhã!

Esquentai vossos pandeiros: nesta sexta-feira, dia 15 de agosto, às 9h, as inscrições serão abertas!

Clique ali na aba inscrições e siga as instruções. Lembre-se de que as vagas são limitadas.

E se você não conseguir se inscrever, nem tudo está perdido! Além de o evento contar com transmissão online, instalaremos um telão numa sala com 55 lugares, de onde se poderá também acompanhar o colóquio – a inscrição neste caso se dará no local do evento, por ordem de chegada.

Esperamos vocês lá!

Vaquinha para Gaia

Pessoal, estamos realizando uma vaquinha para fecharmos o orçamento do colóquio. Assista ao vídeo abaixo para saber mais sobre por que estamos recorrendo à vaquinha, e, caso queira colaborar, mande um email para osmilnomesdegaia@gmail.com que enviaremos as instruções. Gaia agradece.

P.S: em breve abriremos as inscrições. Fiquem atentos =)

 

Renzo Taddei: os profetas e os espíritos

Mais uma entrevista! Renzo Taddei é professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, e também do Instituto do Mar, na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Engenheiro que virou antropólogo, suas pesquisas focam-se nas distintas formas de se entender e viver a atmosfera, tendo realizado pesquisa de campo entre meteorologistas e os chamados “profetas da chuva” do sertão nordestino. Editou, com Ana Laura Gamboggi, o livro Depois Que a Chuva Não Veio: Respostas Sociais às Secas na Amazônia, no Nordeste e no Sul do Brasil (2010). O titulo de sua conferência em nosso colóquio é Geoengenharia espiritual, na qual ele discutirá as relações entre a engenharia climática e contextos culturais onde a compreensão do meio ambiente não reproduzem o padrão materialista (ou naturalista, para usar o termo proposto por Philippe Descola) do pensamento ocidental, estando mais ligados a formas animísticas de relação entre humanos e os elementos – em particular, tratará de como tradições ameríndias e afro-brasileiras pensam o tema da manipulação da atmosfera, e o que isso pode trazer de contribuição ao debate sobre a geoengenharia. No vídeo, ele fala sobre os profetas da chuva e o Cacique Cobra Coral, entre outros, e recebe uma visita muito especial aos 7’38”. Olhem lá!